9 de agosto de 2019

Vereadores decepcionados com Tajiri vomitam durante a primeira sessão

A primeira sessão ordinária deste segundo semestre após o recesso parlamentar foi marcada por enjoos de alguns dos vereadores que decidiram abrir a boca após constatar o despreparo da figura do chefe do Poder Executivo, popularmente conhecido como o “Prefeito Braços Cruzados”, senhor Walter Tajiri (PTB).
Vômito, segundo o dicionário é um transitivo direto e intransitivo de expelir pela boca.
Logo que foi liberada a fala dos vereadores na sessão ordinária do dia 5 de agosto (segunda-feira), o primeiro a vomitar foi o parlamentar Jorge Mishima (PSDB). Ele lamentou que Biritiba Mirim esteja sendo administrado por uma pessoa que não tem pulso firme.
Mishima disse aquilo que este Jornal Impresso Brasil (JIB) vem falando há muito tempo, ou seja, a prefeitura não comporta o número de secretarias, foi justamente o que Mishima replicou. “Infelizmente, estamos em uma situação precária, secretarias inoperantes que não têm a necessidade de existir”, apontou.
Mishima também lastimou que o prefeito Walter Tajiri mantenha diversos cargos comissionados desnecessários ocupando espaço no Executivo. “São cabides de empregos esses cargos, enquanto isso, não tem dinheiro para repor peças em veículos que estão no pátio da prefeitura há muito tempo, peças consideradas de menor custo”, denunciou.
Mishima disse ainda que a cidade anda suja e chegou a apontar o lixão que fica atrás da Igreja São Benedito, cartão- postal da cidade. “Se houvesse fiscalização, talvez não haveria esse descarte irregular atrás da igreja”.
O vereador, Jorge, um dos mais antigos da Câmara Municipal, concluiu dizendo a seguinte frase: “Isso é desnecessário, quando o administrador é fraco”.
Outro que usou a Tribuna e vomitou, foi o vereador Lourival Bispo de Matos (PSDB). Só para ter uma ideia da indignação do parlamentar, desde de janeiro deste ano, ele já encaminhou 12 oficios ao prefeito Tajiri pedindo providências com relação a Escola Professora Helena Ricci Barbosa. Lourival como fiscal conversou com professores, merendeiras e funcionários da instituição e constatou que a situação é grave. “O teto está quase caindo na cabeça das merendeiras, em dias de chuva, a água toma os disjuntores, o que obriga a desligar por causa do choque que causa nas paredes, os ventiladores estão quebrados e as janelas não abrem, um verdadeiro caos”, denunciou Lourival que espera por respostas dos seus ofícios. O vereador ainda revelou que foi em outras escolas do município e constatou que em algumas delas, a merenda é regular, porém, ele explicou como funciona. “Por exemplo, na Escola Professor José Carlos Prestes tem dia que a merenda é macarrão com carne, já no outro, o tipo de merenda cai drasticamente, não falta, mas se torna incoerente”, disse.
O vereador Robério de Almeida Silva (PSB) apresentou Moção de Apelo com referência ao Ofício 53/19 do dia 4 de janeiro deste ano que pede informações a respeito do dinheiro (R$ 194.850,73) que a Câmara Municipal devolveu no final do ano passado para que a prefeitura pudesse aplicar este recurso na manutenção dos veículos que estão no pátio abandonados por causa da reposição de peças. “Falta gestão do poder público, falta planejamento e comprometimento com a população”, vomitou Robério ao citar Walter Tajiri como incompetente em suas ações. Ele chegou a citar o problema de um senhor que precisa de cuidados médicos, porém, não pode receber em razão da ambulância não conseguir chegar na casa dele por causa das condições do local.  O legislador ainda disse que a maioria das ruas de cada bairro está com problemas.
A Prefeitura de Biritiba Mirim não fala com a nossa reportagem, porém, informações extraoficiais revelam que Tajiri deverá cortar o tratamento com eles e demitir os funcionários comissionados indicados pelos vereadores.