9 de agosto de 2019

Prefeitos braços cruzados estão com os dias contados

Na linguagem corporal, a barreira formada pelos braços cruzados sobre o peito é uma tentativa inconsciente de bloquear tudo o que percebemos como ameaça ou circunstâncias indesejáveis e, a credibilidade dos governantes diminui sensivelmente. Trazendo essa realidade para o Alto Tietê, muitos cidadãos constatam a falta de compromisso com o que é de todos, da coletividade, ao ter prefeitos que parecem que não querem trabalhar, devido ao fraco desempenho realizado nestes três anos de gestão.
Dos 11 municípios que compõem a região, pode-se citar a ineficiência, por exemplo da prefeita Fábia Porto (PRB), envolvida em escândalos e que pouco fala com a imprensa, principalmente o Jornal Impresso Brasil (JIB), que a questiona sobre a sua fraca gestão na cidade conhecida apenas pelo nome de Paraíso da Grande São Paulo.
Já em Ferraz de Vasconcelos, outro prefeito que prefere a imprensa longe é José Carlos Fernandes Chacon (PRB), o Zé Biruta. Pelo andar da carruagem, parece que a legenda não deve estar tão satisfeita com os dois governantes que preferem a imprensa distante de suas gestões preocupantes.
Em Biritiba Mirim, outra cidade que pede socorro, a situação para Walter Tajiri (PTB) não está das melhores: falta governança e pulso firme. Assim também caminha o município de Arujá, afundado no caos e serviços públicos ofertados com falta de excelência e de maneira descuidada.